Quando As Luzes Se Apagam (2016)

By | 12:42 Leave a Comment




Sinopse: Desde que era pequena, Rebecca tinha uma porção de medos, especialmente quando as luzes se apagavam. Ela acreditava ser perseguida pela figura de uma mulher e anos mais tarde seu irmão mais novo começa a sofrer do mesmo problema. Juntos eles descobrem que a aparição está ligada à mãe deles, Rebecca começa a investigar o caso e chega perto de conhecer a terrível verdade.

Assim como alguns outros filmes de mesmo gênero, o longa teve como inspiração um curta que viralizou rapidamente pela internet. David F. Sandberg é responsável pela edição de ambas as produções.
Acrescentando ao longa-metragem, temos na equipe James Wan, um dos grandes produtores de filmes como Invocação do Mal e Jogos Mortais.

O filme tem um roteiro que já fica bem resumido pela sinopse. Uma filha que sai de casa quando seu pai vai embora, deixando uma mãe cheia de problemas psicológicos para trás. Toda a história acaba sendo melhor desenvolvida graças ao irmão mais novo, Martin (Gabriel Bateman), que se vê com problemas na sua rotina devido ao medo de dormir e acabar se deparando com a aparição de uma mulher toda vez que as luzes se apagam. 
Ao notar que teria que tomar alguma providência maior sobre tudo isso, Rebecca (Teresa Palmer) tem que se permitir ter mais contato com sua mãe, Sophie (Maria Bello), e explorar algumas lembranças esquecidas e pesquisar respostas. 




Acho que o grande ponto do filme é uma direção boa, que usa um personagem assustador que :

1 - Aparece do nada só para sumir rapidamente
2 - Controla a única coisa que poderia o afastar... A luz. E deixa tudo com aquele clima imprevisível. Isso faz com que todo jump-scare seja um ponto alto (e se tornou o que mais me agradou). 

Alguns filmes tendem a ser clichês e não posso dizer que esse foge muito do usual. Teremos maçanetas se mexendo, luzes piscando e aquela abertura de porta rangendo que te faz temer o que tem atrás. Mas o filme funciona, sim! 





Ah!! Outro ponto importante para toda a ambientação e clima tenso... A localização da casa =D 
Não sou a maior especialista (ou especialista em nada mesmo auhahu), mas foi de senso comum com todos que assistiram ao filme comigo, que a casa foi uma jogada muito boa! Ela é toda projetada de maneira em que as cortinas prevaleçam fechadas, deixando pouca luz entrar e a tensão seja muito mais fácil de existir, fazendo o terror rolar mesmo em pleno dia. =O





O que mais me incomodou foi o fato de toda a história por trás da infância da Diana, assim como os motivos de estar tão ligada a essa família, não terem sido revelados de maneira digna . Acho que foi fácil demais descobrir todo o background sofrido, mas que deixou um pouco a desejar para me fazer pensar que tinha peso suficiente para se sustentar por todos esses anos. Eles tentaram dar uma justificativa "sentimental", mas tudo ainda se manteve bem vazio.
Porém, não acho que o objetivo do filme era ser profundo. O roteiro quer apenas fazer o que se propos a fazer, que é assustar. 




Para completar um pouquinho, algumas frases de efeito e todo aquele apelo motivacional e familiar também me incomodaram. E, apesar de saber que é necessário criar certa afinidade com os personagens senão não nos importaremos com o que acontece com eles, isso não aconteceu comigo.  

Agora...o final. 
Ele é repleto de um leve drama que vem com uma conclusão que, sinceramente, acho que muitos notaram que teria sido uma escolha que já deveria ter sido feita muito, muito antes por uma certa personagem. Ou seja, não se torna uma grande novidade, mas não deixa de ser bom.




Quando as Luzes se AQpagam é um filme que te deixa com aquele medo de algo que não temos como controlar ou ver direito, que pode simplesmente surgir do nada e é muito mais forte do que o esperado. Tanto física quanto emocionalmente. 

Para os que gostam de sustos, trabalho de cenas, sons e músicas colocadas em todas as horas certas, como dito acima... o filme faz o que promete e acaba sendo satisfatório, sim. 
Sem grandes enigmas, mas bom! =D
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários: