Antes Que Eu Vá - Lauren Oliver

By | 09:44 Leave a Comment



Sinopse: Samantha Kingston tem tudo: o namorado mais cobiçado do universo, três amigas fantásticas e todos os privilégios no Thomas Jefferson, o colégio que frequenta — da melhor mesa do refeitório à vaga mais bem-posicionada do estacionamento. Aquela sexta-feira, 12 de fevereiro, deveria ser apenas mais um dia de sua vida mágica e perfeita. Em vez disso, acaba sendo o último. Mas ela ganha uma segunda chance. Sete “segundas chances”, na verdade. E, ao reviver aquele dia vezes seguidas, Samantha desvenda o mistério que envolve sua morte — descobrindo, enfim, o verdadeiro valor de tudo o que está prestes a perder. ... Em uma noite chuvosa de fevereiro, Sam é morta em um acidente de carro horrível. Mas em vez de se ver em um túnel de luz, ela acorda na sua própria cama, na manhã do mesmo dia. Forçada a viver com os mesmos eventos ela se esforça para alterar o resultado, mas acorda novamente no dia do acidente. O que se segue é a história de uma menina que ao longo dos dias, descobre através de insights desoladores, as conseqüências de cada ação dela. Uma menina que morreu jovem, mas no processo aprende a viver. E que se apaixona um pouco tarde demais.

Ler ao som de:

Coldplay - Death And All His Friends


A sinopse já diz bastante coisa. Passamos pelos sete dias que Sam se vê obrigada a reviver.
Sendo a clássica garota adolescente popular, com tendência à crueldade, namorando um dos garotos mais desejados, ela é a garota que deu a volta por cima depois de sofrer um certo bullying na infância. Vale notar que essa "volta por cima" é algo que ela faz muito ciente de que é insuportável, sim. Ser quem ela é não é um problema porque ela se sente bem sem se importar com os outros.

"Mas antes que comece a me acusar, permita-me fazer uma pergunta: o que fiz foi realmente tão ruim? Tão ruim que eu merecia morrer por isso? Tão ruim que eu merecia morrer assim?
O que fiz foi realmente tão pior do que o que todo mundo faz?
É realmente muito pior do que o que você faz?
Pense a respeito."

Não acho que seja um livro para todo mundo. Se você for uma pessoa impaciente, o fato de a trama sempre voltar ao mesmo dia, 12 de fevereiro, pode te deixar bem irritado. Mas é notável a maneira como a personagem entende que é uma chance para mudar pequenas coisas e, por interesse próprio, alterar o grande final e não morrer.

"Talvez você possa se dar ao luxo de esperar. Talvez para você haja um amanhã. Talvez para você haja mil amanhãs, ou três mil, ou dez, tanto tempo, que você pode se banhar nele, girar, deixar correr como moedas entre os seus dedos. Tanto tempo que você pode desperdiçar. 
Mas para alguns de nós só existe hoje. E a verdade é que nunca se sabe."

Eu admito que odiei a Sam no início do livro. Tudo o que ela representava e mostrava não era algo fácil de se suportar. Sem contar que essa segurança se prova algo instável quando notamos que ela pode ser facilmente manipulada. Uma vida de aparências, já que o livro mostra os problemas familiares e amorosos que a garota enfrenta. E as amizades...ah, as amizades. Vamos deixar isso de lado porque Sam não está rodeada das melhores pessoas, mesmo.

"E se tudo o que você tivesse fosse um único dia. O que iria fazer? Quem iria beijar? Até onde se atreveria a ir para salvar a própria vida?"

O que importa é que tudo o que ela foi, o que ela queria viver, ser e ter perto dela terão um grande peso nessas sete chances que Sam acaba ganhando. O final não é super explicativo, não entendo bem se sei o por quê de ela ter tido essas chances, mas...é o que é e eu amei cada página que li, depois de aceitar amar odiar a garota, se é que faz sentido. Um livro que te deixa com a garganta meio apertada, sim. Aquela ideia de que ninguém sabe quando será seu último dia, as incertezas que levamos ao longo da vida, as responsabilidades que ignoramos. Um livro que se concentra no famoso Efeito Borboleta, onde "o bater das asas de uma borboleta num extremo do globo terrestre, pode provocar uma tormenta no outro extremo no intervalo de tempo de semanas" . Foi um dos primeiros livros que li da autora, Lauren Oliver, que já amei toda a maneira com que ela consegue nos envolver na trama. É um livro que vale a pena dar uma chance, sempre.

"Sempre haverá o amanhã. 
Aquela hora da noite é a que mais gosto, quando a maioria das pessoas está dormindo e parece que o mundo pertence somente a mim e a meus amigos, como se não existisse nada além do nosso pequeno círculo: todo o restante é escuridão e silêncio. "

O livro consta como ESGOTADO, bem difícil de achar. Porém, o mesmo já está com uma adaptação cinematográfica sendo gravada. Ry Russo-Young ('Caminho Para o Coração') vai dirigir o filme, a partir do roteiro escrito por Maria Maggenti ('Monte Carlo'). Brian Robbins (Série 'The Royals'), Matt Kaplan ('Renascida do Inferno') e Jon Shestack ('Minhas Adoráveis Ex-Namoradas') estão produzindo. E Zoey Deutch foi escolhida para viver a personagem Samantha Kingston.

"Você acha que eu estava sendo tola? Ingênua? Tente não me julgar. Lembre-se de que somos iguais, eu e você. Também pensei que fosse viver para sempre. "
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários: