A Guardiã de Histórias - Victoria Schwab

By | 11:09 Leave a Comment



Sinopse: Imagine um lugar onde, como livros, os mortos repousam em prateleiras. Cada corpo tem uma história para contar, uma vida disposta em imagens que apenas os Bibliotecários podem ler. Aqui, os mortos são chamados de Histórias, e o vasto domínio em que eles descansam é o Arquivo. Mackenzie Bishop é uma implacável Guardiã, cuja tarefa é impedir Histórias geralmente violentas de acordar e fugir do Arquivo. Naqueles domínios, os mortos jamais devem ser perturbados, mas alguém parece estar, deliberadamente, alterando Histórias e apagando seus trechos essenciais. A menos que Mac consiga juntar as peças restantes, o próprio Arquivo sofrerá as consequências.

Sabe quando você tem um livro nas mãos, daquela sua enorme lista de livros, começa a ler e decide fazer isso sem ter conhecimento da sinopse ou explorado o assunto? Aquela vontade de entrar em uma história e ficar cheia de surpresas? Pois bem. Foi o que eu fiz e isso me deu, no mínimo, uma experiência bem interessante.

Deixamos lembranças nas coisas que amamos e guardamos, coisas que usamos a ponto de as deixarmos gastas.

Assim que comecei a ler, o livro já te joga de cabeça no mundo da personagem Mackenzie. Eu conseguia entender que havia histórias, estreitos, corredores e...o que? Sim. Fiquei absurdamente confusa. O que foi aquela pontinha essencial para só me dar vontade de ler mais e mais até entender tudo.
E quando isso acontece... que incrível.
A história se passa em um mundo onde existe um local para onde todos os mortos vão. Os mortos são denominados "Histórias", que são apenas um grande acúmulo de lembranças de uma vida que já passou. Todas elas ficam guardadas em um local com gavetas, chamadas de "Arquivo". E, como todo lugar que precisa de segurança e ordem, existem os Guardiões que garantem que todas essas Histórias não fujam para o mundo exterior. E é exatamente isso o que nossa personagem é, uma Guardiã com seus poucos 16 anos, depois de o avô a ensinar tudo. 


- É difícil? - pergunto quando ele sai pela porta - mentir tanto assim? (...)
- Não, difícil não. Mentir é fácil. Mas é solitário.
- Como assim?
- Quando a gente mente para todo mundo sobre tudo, o que sobra? O que é verdadeiro?
- Nada - respondo.
- Exatamente. 


Claro que a história tem um enredo triste, muitas perdas por todos os lados, uma garota que pensa em como seria ser uma adolescente normal, mas que ama com todas as forças o que é por ter aprendido com seu avô, que foi uma das pessoas mais importantes na sua vida. Apesar da dificuldade em ter que sempre omitir muitas coisas dos próprios pais, a garota vai levando a vida da melhor maneira, já que todos eles estão a ponto de se quebrar por inteiro depois de uma perda familiar. 

Uma coisa que amei no enredo foram os pequenos flashbacks ao longo da história. Os mesmos mostram momentos importantes de Mac com seu avô. Claro que foi uma daquelas coisas que eu mesma levei um tempo para entender se tratar do passado, já que apenas uma letra em negrito não foi o suficiente para deixar isso claro logo no começo. 


- E se eu estragar tudo?
- Ah, você vai. Vai estragar tudo, vai cometer erros, vai quebrar coisas. Algumas, vai conseguir consertar, e outras serão perdidas. Isso tudo é um fato. Mas só há uma coisa que você pode fazer por mim.
- O que é?
- Continuar viva por tempo bastante para estragar tudo de novo.


Eu acho que o enredo apresenta as coisas de uma maneira acelerada, sim. O que ajuda e confunde ao mesmo tempo. Sinto que sem todas as informações, eu mesma não entenderia o que é o Arquivo e os seus derivados, mas... é necessário respirar fundo e se deixar entrar no mundo conforme as páginas vão rolando. Assim que tudo é entendido, fica fácil se perder e não conseguir parar de ler.

Fico acordada por anos e reimagino aquele adeus, reescrevo aquele bilhete e, dessas vezes, em vez daquele silêncio pesado, daquelas três linhas, você me diz exatamente o que preciso ouvir, o que preciso saber, para conseguir sobreviver a isso.


Outra coisa que achei ótima foram os personagens. Mac tem uma personalidade forte. Ao mesmo tempo que sabe que tem que ser uma filha para os pais, entende as responsabilidades que tem e sempre dá seu jeito de fazer tudo o que precisa. Tudo isso, sem dúvida alguma, me fez querer a apoiar em todas as decisões que eram tomadas por sua curiosidade. Alguns riscos foram tomados seguindo seu instinto e eu amei conseguir entender cada parte dela que gritava por respostas.

Você pode arrancar as lembranças da pessoa, mas elas não serão mais quem eram antes. Apenas estarão cheias de buracos. Se eu tivesse escolha, iria preferir aprender a viver com o que aprendi. 

O livro prende a atenção muito bem, ainda mais por ter um mistério enorme que começa a causar uma ruptura em todo o esquema de segurança do Arquivo e pequenas respostas vão aparecendo até termos uma reviravolta de tirar o fôlego. Para quem gosta de universos fantásticos... é ótimo. O livro não foca em romance, apesar de ter uma pitada de charme por causa de alguns personagens, principalmente Wesley, que é um personagem bem cativante. 

Para evitar spoilers pois a narrativa inteira vai se construindo aos poucos... vou parar por aqui. Mas é um livro que já me faz desejar absurdamente o segundo e último livro. 
Lembrando que estivemos no Mochilão da Record e fomos informados que o mesmo já está em fase de tradução. Yay!!

Conhecimento é poder, mas a ignorância pode ser uma benção.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários: